Armas de Destruição Maciça

A Alegoria da Guerra - Peter Paul Rubens

“Uma arma de destruição em massa ou arma de destruição maciça (ADM) é uma arma capaz de causar um número elevado de mortos numa única utilização.” (Wikipédia

ADM foi a razão oficial que levou o Iraque a ser atacado pelos Estados Unidos e os seus aliados.
Contudo, mais tarde, verificou-se que este foi o alvo errado uma vez que Saddam Hussein não possuía qualquer arma de destruição maciça (nem sequer para irritar o Irão se quisesse). O seu único crime foi ser um torturador, um assassino, um déspota, um péssimo bluffer e um produtor de sementes do Mal.

Hoje sabemos que a Guerra de prevenção não deveria ter sido feita contra o Iraque, pois sabemos bem quem detém as Armas de Destruição Maciça:

a) Bin Laden e o seu gangue: os ataques de 11 de Setembro foram um exemplo do uso de ADM. Matou milhares de pessoas inocentes e destruiu edifícios. Já para não falar do facto de ter perturbado a vida de milhões de viajantes à volta do mundo, e a ordem instalada. O seu gangue (os extremistas Islâmicos na Somália, Iémen, Tchetchenia, Argélia, Marrocos e Egipto) criam armas de destruição maciça humanas para que se possam explodir aonde quer que haja sangue inocente.

b) Os extremistas Islâmicos no Paquistão: o banho de sangue que testemunhamos na TV todo o santo dia. Lembram-se dos atentados no Mumbai (2008)? Lembram-se do 11 de Março (Madrid 2004) e dos ataques bombistas de 7/7 (Londres 2005)?

c) Os extremistas Islâmicos na Indonésia: lembremo-nos dos atentados em Bali, em 2002, quando 202 vidas inocentes foram ceifadas. E também não nos esqueçamos do ataque bombista da Jakarta, no ano passado.

d) Hamas, Jihad Islâmica, Mártires de Al-Aqsa e Hezbollah: este charmoso grupo é o mais esperto de todos, pois, não obstante os seus actos terroristas; apesar de continuamente contrabandearem armas ilegais; a despeito de continuarem a criar ADM humanas (para exterminar Judeus em Israel), eles conseguem atrair simpatia, apoio e donativos de idealistas e governos.

Quem é que oleia a máquina que produz estas armas de destruição maciça? O Clero Islâmico.

Comentários

  1. Olá Max, aqui retorno, e hoje leio sobre querra,para um poeta, é dificil essa palavra tão devastadora ao mundo,pois sentimos sim, dor , quando vamos vendo tudo que ocorre e ocorreu neste mundo.
    Não da para aceitar nunca a QUERRA.
    E SOMOS OBRIGADO A CONVIVER COM ELA.

    EFIGÊNIA cOUTINHO

    ResponderEliminar
  2. Gostei do post, mas não achas perigoso responsabilizar o clreo Islâmico por ideais tão destrutivos e desumanos?

    ResponderEliminar
  3. Olá Efigênia :D!

    Que bom ver-te aqui de novo.
    É, a guerra é um tópico difícil mas que tem de ser abordado - ainda mais agora, que faz parte do nosso quotidiano.

    O ser humano é bélico por natureza...

    Obrigada pelo teu comentário, querida.

    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Olá Zahta :D!

    "Gostei do post, mas não achas perigoso responsabilizar o clreo Islâmico por ideais tão destrutivos e desumanos?"

    Ainda bem que gostaste. Não, não acho perigoso responsabilizar o clero Islâmico porque ainda que haja alguns Imans que não concordem com o terrorismo em nome de Allah, eles não vêm a público condená-lo. E para além disso arranjam meios de justificar os actos terroristas. No que isto tudo os torna? Cúmplices.
    Que eu saiba, só houve um membro do clero que tivesse publicado uma fatwa contra o terrorismo: Mullah Tahir ul Qadri. E mesmo assim as pessoas perguntam-se porque demorou 10 anos a pronunciar-se.

    Zahta, obrigada pelo teu comentário :D.

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço