Blogagem Colectiva: 5ª Fase do Amor aos Pedaços, Reintegração




Quando o amor acaba, poderá ele ser reintegrado?
Para responder a esta questão, teremos de aprofundar o amor e, depois questionarmo-nos se alguma vez ele poderá acabar.

Segundo a Antiga Grécia, o amor expressava-se das seguintes formas:

Agape: amor puro, ideal, sem concupiscência. Para os que gostam de literatura; lembrem-se das cantigas de amor (em que o cavalheiro se dirige à mulher amada como uma figura idealizada, distante. O fiel vassalo está ao dispôr da sua senhora e transforma esse amor num objeto de sonho, distante, impossível).

Eros: amor apaixonado, sensual; concupiscente. Quando aliado à contemplação, passa à admiração pela beleza. Também se diz que Eros ajuda a reconhecer a beleza e contribui para a compreensão da Verdade Espiritual (i.e. o acto sexual, de tão sagrado, leva-nos a compreender a Verdade Espiritual, talvez pela da sua força procriadora).

Philia: amor virtuoso que inclui lealdade aos amigos, família e comunidade. Para que tenha um verdadeiro efeito necessita de virtude, igualdade e familiaridade. A motivação por detrás desta forma de amor é a praticidade (i.e. um ou ambas as partes beneficiam com o relacionamento).

Storge: amor dos pais pelos filhos.

Xenia: amor expressado através da hospitalidade.

Posto isto, o amor nunca acaba (já que, diariamente, é expresso de várias maneiras); o que acontece é que muda de forma; por exemplo:

  • Um casal pode-se apaixonar e, por mais que construa uma vida/ história em comum (iludindo-se que Eros se manifestou um dia), o seu amor não passou de Agape – de uma interessante cantiga de amor, sem aquele fogo sexual.
  • Um casal pode ter um desejo intenso um pelo outro e, apesar de nunca construirem um história/vida juntos (i.e. não fazerem uso de Agape, Philia ou Storge), quando se juntam compreendem o universo e a verdade da existência. Este casal viveu o amor sob a forma de Eros.
  • Um casal começa por sentir Agape. Com o passar do tempo e com a convivência, Eros começa a atacá-los. Possuem uma vida social optimizada com amigos leais, uma família próxima e involvem-se na comunidade; Philia desempenha um papel importante no campo das suas emoções. Têm uma penca de filhos (a vera expressão do seu Agape, Eros, Philia) e o seu amor por eles toma a forma de Storge. Participam em programas de intercâmbio cultural e recebem convidados estrangeiros na sua casa; permitindo que Xenia se expresse.

E estes são só alguns exemplos; por certo vós tereis muitos outros. Mas a questão é que o amor é como a água: não se parte, somente muda de forma conforme o recipiente no qual é vertido. O amor não se desintegra; e como tal não pode ser reintegrado.
Então, se não é o amor que chegou ou fim, qual é o virus que assola muitos relacionamentos? O Egoísmo.

“Egoísmo não é viver como queremos; mas é pedir aos outros que vivam da mesma maneira que queremos viver” - Oscar Wilde  


Para a leitura de outras magníficas participações desta Blogagem Colectiva, é favor clicar Aqui

Comentários

  1. Gostei da sua participação. Eu também sou da opinião que o amor nunca acaba, que se vai renovando todos os dias e toma várias feições ao longo da vida. Se não acreditasse nisso estaria casada 45 anos? Decerto que não.
    Um abraço e um bom domingo

    ResponderEliminar
  2. gostei de todas as definições do amor e por dizer sobre o maldito virus que estraga tudo. A frase do Oscar Wilde resumiu tudo perfeitamente.

    ResponderEliminar
  3. Oi Max,
    bacana as definições do amor que você citou,destas citadas só conhecia três,rs.
    E concordo que o amor muda de forma com o passar do tempo e muitos dos relacionamentos que acabam estão repletos de egoísmo,de querer que o outro seja o que não é.
    Uma ótima semana,abraço,=)

    ResponderEliminar
  4. Enfim, acabou.
    Acabou, mas como vivemos em círculos e espirais, encantamentos, desencantamentos, esperanças, questionamentos, se integram e reintegram em nosso cotidiano.
    Vivemos. E sobrevivemos a tudo.
    Obrigado pela participação. E sigamos em Conversas Cartomânticas.

    ResponderEliminar
  5. Max, gostei das suas definições de amor. Tb estou participando desta blogagem.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  6. Caríssima, estamos em sincronia!! Também acho que o egoísmo mata qualquer forma de amor e, não conhecia essa frase de Oscar Wilde. Veja um trecho do que escrevi na minha postagem de participação: "Podemos afirmar que quem ama egoisticamente não está amando, pois não está doando esse sentimento latente. O amor-próprio é tão grande que não quer ser dividido?".
    Estou citando o trecho, pois não sei se terá disponibilidade de interromper suas férias para ler as participações. Mas deveria! A blogagem está de deixar saudades... beijus,

    ResponderEliminar
  7. O amor tem mesmo muitas formas, e assim, vai se transformando.
    Há quem diga que ele se acaba,
    Há quem diga que na verdade, se acabou, é porque nunca existiu.
    Há quem, no egoismo da manipulação, nao perceba nem uma coisa nem outra. Viva somente o amor proprio.

    Muito bacana sua postagem.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Adorei Max!
    O fechamento está brilhante:
    «o amor é como a água: não se parte, somente muda de forma conforme o recipiente no qual é vertido. O amor não se desintegra; e como tal não pode ser reintegrado. Qual é o virus? O Egoismo.»
    Grata por estar conosco nesta coletiva. Foi muito gratificante o compartilhar de perspectivas.
    Abraço além-mar.
    Rute

    ResponderEliminar
  9. É bem isto. O amor que sentimos, que temos continua a existir em nós, ainda que, o relacionamento seja complicado, e que tenha que por fim. O amor continua em sua exuberância de formas!

    ResponderEliminar
  10. Esses muitos amores que sentimos em determinadas fases de nossa vida ou por pessoas diferentes...continuará sempre sendo o amor.Nos tornamos egoístas quando não conseguimos dar espaço para os demais.Infelizmente isso acontece em algumas fases da vida, mas mais adiante percebemos que não era amor.
    Paz e bem

    ResponderEliminar
  11. O egoísmo é uma praga que assola no universo e causa tantos males.Bela participação.

    ResponderEliminar
  12. Acho que ele se reintegra quando quebra um ciclo vicioso, quando atinge uma oitava maior.

    Beijos,

    ResponderEliminar
  13. Olá,
    "UMA GOTA DE ORVALHO NA BORDA DO CÂNTARO"

    Extremamente cansada mas reintegrada... cheguei hoje da Missão...
    Sou-lhe grata e a Deus por ter dado tudo certo.
    Obrigado por termos chegado ao fim da BCAP.

    AMAR O OUTRO É RENUNCIAR POSSUÍ-LO, MESMO MORTO".
    Abraços fraternos de paz

    ResponderEliminar
  14. Max, mas que artigo bonito. Não conhecia e embora prefira as peças mais políticas, fiquei sensibilizada com o final "Mas a questão é que o amor é como a água: não se parte, somente muda de forma conforme o recipiente no qual é vertido. O amor não se desintegra; e como tal não pode ser reintegrado." muito bonito!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço