Maxiavelli: Estávamos Errados Quanto à Palestina

Bandeira Palestiniana
Este blogue costumava ser um apoiante fervoroso da solução de dois estados. Agora, começa a duvidar da viabilidade de tal projecto. 

Os palestinianos não provaram ser capazes de construir um estado. Qualquer um, que conheça minimamente a Judeia & Samaria, dir-vos-á que os territórios controlados pela Autoridade Palestiniana (AP) são sujos, desorganizados e subdesenvolvidos - dado o facto que milhões de euros dos contribuintes Europeus foram despejados naqueles territórios, temos de nos perguntar para onde foi o dinheiro porque, certamente, não beneficiou o povo que ainda se vê forçado a viver sob condições terríveis - e não, a desculpa da "ocupação" não convence mais porque os Acordos de Oslo foram precisamente assinados para dar oportunidade à AP de mostrar que tem mais do que garganta (e a AP falhou redondamente). 
Os palestinianos tratam os territórios que dizem pertencer-lhes como um local de residência temporária: o que sabem eles que nós não sabemos? Para além do mais, Michael Horesh (in The surprise of investing in the Palestinian economy) coloca uma questão muito interessante "(...) o que é que o bloco árabe sabe que o força a não investir na economia palestiniana?"
Os palestinianos não provaram a sua capacidade para viver em paz. Não vamos comentar o facto de um palestiniano comum se ter achado no direito de atrair o seu ex-colega, um soldado do IDF de licença, para o assassinar; não nos vamos alongar acerca do facto da Fatah/OLP apadrinhar grupos terroristas (violando, mais uma vez, os acordos de Oslo); mas iremos partilhar dois exemplos de coisas que a media, nos territórios controlados pela Fatah, transmite: 

"'Que a nação da Fatah e de Yasser Arafat viva longamente'/Os inimigos de Alá, os filhos dos porcos (i.e. Judeus) destruiram e arrancaram as oliveiras e as figueiras" (Fonte: TV Oficial da Autoridade Palestiniana, 22 de Março de 2013)

"Que Alá humilhe Israel tal como nos humilhou a nós. Que Alá a destrua (...) Nós palestinianos [somos] a nação mais nobre do mundo porque só matamos os judeus [porque] ele lutaram contra Muhammad." (Fonte: TV Oficial da Autoridade Palestiniana, 18 de Julho de 2013) 

Os chamados palestinianos moderados não querem paz. Mas querem o vosso dinheiro.

O Hamas provou ser capaz de construir um estado - para dizer a verdade, provou ser mais competente que a AP já que constuiu um pequeno estado em Gaza. Não obstante, também trata a Faixa como um local de residência temporária: permanece suja e pouco atraente (apesar dos centros comerciais, esplanadas e hotéis construídos para a Elite do Hamas).
O Hamas não provou ser capaz de viver em paz ao lado de Israel. Está a ensinar hebraico nas escolas públicas porque, oficialmente, "Os palestinianos precisam de aprender a língua do inimigo" (se fosse de paz, diria vizinhos) e, investe em Campos de Férias, onde as crianças são treinadas para a Jihad afim de poderem "libertar a palestina e não desistir de Jerusalém."

"Os campos de férias realçam que a iniciativa Islâmica, a iniciativa palestiniana e a iniciativa humana árabe estão a progredir, num estado de renovação e num estado de vitória, grande e poderosa, e que a iniciativa sionista está em regressão, em declínio e enfraquecida, juntamente com todos os seus aliados e aqueles que permanecem a seu lado. Não há futuro para a entidade sionista em solo palestiniano. Eu digo que não basta dizermos que não reconhecemos Israel. Temos de dizer o seguinte com um grito e como slogan durante todo o período de actividades do campo de férias [da 'Geração] do Retorno': Não há futuro para Israel em solo palestiniano!" - Ismail Haniyeh, Primeiro Ministro do Hamas.

O Hamas, ao menos, não esconde as suas verdadeiras intenções. Não é hipócrita porque não tem de mendigar dinheiro ao ocidente - para isso, tem o Irão. 

Hoje, o presidente Obama deve encontrar-se com o presidente Mahmoud Abbas - no contexto do Debate Geral da 68ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas - para discutir as renovadas negociações de paz. 
Apelamos ao Presidente Obama que se recorde das seguintes palavras (proferidas pelos líderes da AP, em Washington, em Julho passado) e as analise:

"Numa resolução final, não veríamos a presença de um único Israelita [i.e. Judeu] -- civil ou militar -- nas nossas terras,"

Pois, porque a Solução Palestiniana Final é: 


Comentários

  1. Só poderia estar enganada, Max. A palestina não cumpriu uma única provisão dos acordos de oslo, nem uma. Está na hora do mundo ver isso. Um abraço JP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá JP :D!

      Cumpriu algumas - sejamos francos (parcerias económicas; criou a sua própria polícia e forças de segurança; tem um parlamento; tem um governo etc). Mas naquilo que mais interessa, que mais promoveria paz...tem toda a razão, não cumpriu nem uma provisão (apoia e financia grupos terroristas; permite o fluxo de armamento; não protege os cidadãos Judeus que habitam nos territórios por si controlados etc etc).

      Muito obrigada pelo seu comentário, JP. Espero voltar a vê-lo por aqui :D.

      Um abraço

      Eliminar
  2. Max, eu também estava errada. Estes tipos não podem ficar ali, eles que vão para o Sinai ou para a Jordânia...nem mais! Andam aqui a enganar toda a gente: querem paz mas incitam ao ódio; mas pode lá isto ser? Dissimulados!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carla :D!

      Enfim...é isso mesmo.

      Minha cara, muito obrigada pelo seu comentário :D.

      Um abraço

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço